Entrada
Entrada
O Centro
Investigação
Investigadores
Actividades Destaques 2015-2018 2014-2011 2010-2007 2006-2003 2002-1999
Formação
Publicações
Biblioteca
Redes Internacionais
Recursos Electrónicos
Call for Papers
Boletim
Ligações úteis
Contactos

English VersionCEC no FacebookCEC no YouTube
Entrada seta Actividades seta 2014-2011 seta Série de Conferências - "Re-Ver os Impérios e os seus Objectos de Fantasia"

Série de Conferências - "Re-Ver os Impérios e os seus Objectos de Fantasia"

Série de conferências 2012
1ª sessão: Françoise Vergès e James Clifford
Data: 8 de Junho de 2012, 14:00-18:30
Local: Sala 5.2., FLUL
Cartaz
Programa definitivo/Final programme

Actividade integrada no projecto:
DESLOCALIZAR A EUROPA – Perspetivas Pós-coloniais na Antropologia,
Arte, Literatura e História
 

     As representações dos impérios tiveram um papel decisivo na auto-representação dos estados-nação europeus, a vários níveis – da imprensa escrita à publicidade, da fotografia, cinema, arquitetura e museus aos objetos do dia a dia. Os artefactos materiais foram, portanto, decisivos para fundamentar e alimentar narrativas de desejo e abjecção, constituindo o ponto de partida para a compilação de um vasto arquivo que ainda determina as narrativas de identidade e pertença nacionais, de inclusão e de exclusão em torno dos estados-nação. Estes artefactos ajudaram, assim, à construção de uma série de projeções e fantasias sobre o “eu” e o “outro” que poderão, ainda hoje, ser relevantes para a compreensão dos limites criados em torno – e dentro – da Europa e do “Ocidente”.
     Esta série de conferências tem como principal objectivo propor uma abordagem comparada a estas questões, a fim de estimular uma reflexão multidisciplinar que realce as semelhanças e diferenças, a partir de uma perspetiva historicamente fundamentada, mas atenta aos desafios nossos contemporâneos. Como é que os artefactos do império determinaram as formas de a Europa se autorepresentar? Como é que eles moldaram as formas de representação da Europa e dos seus “outros”?
     Até que ponto são estas representações ainda relevantes para a definição de “comunidades imaginadas” nacionais e transnacionais? Que papel desempenham estes objetos em questões da memória e da história? Quais são as relações entre o império e o arquivo material e até que ponto são relevantes para as auto-representações nos estados-nação europeus e noutros espaços, na nossa contemporaneidade? Até que ponto determinam estas representações ainda a representação dos imigrantes bem como do “interior” e do “exterior” da Europa e das suas nações? Quais os desafios e a força da cultura visual para os nossos tempos pós-coloniais/neo-imperiais?






| Imprimir | Adicionar aos Favoritos |

Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
conteúdos: © 2006 - 2019, Centro de Estudos Comparatistas
textos assinados: © autor respectivo